segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Nosso futuro comum

Engraçado... sábado, postei algo sobre mudanças desejáveis na produção de energia (texto logo abaixo). Domingo, num zap noturno, parei pra ouvir Hugo Penteado, sendo entrevistado por Gabi (reprise de um programa de abril/08).
Economista e ambientalista, como ele mesmo se classifica, Penteado fazia um comentário que derruba imediatamente, com argumentação racional e precisa, meu devaneio de um dia antes... Não basta buscar energias alternativas, é preciso reduzir a "pegada ecológica"!
Num resumido resumidíssimo (correndo riscos, é claro), ele nos faz perceber o seguinte: existimos no mundo por conta de matéria e energia. Nenhuma das duas pode ser criada pelo homem. O que ele faz é aproveitá-la, transformá-la para poder consumi-la. O que significa que a única saída é consumir menos.
É... a coisa é mesmo séria... e não é preciso pensar muito e ler muito para entender que o raciocínio é simples. Ou nos comprometemos ou todos pereceremos. Em palavras dele: "ou mudamos ou perecemos".
Não se trata de decisão de governo, de vontade política apenas. É preciso haver comprometimento individual, mas adesão global. E pra dar ênfase a seu raciocínio ele "recorta" palavras de Gandhi: "você deve ser a mudança que gostaria de ver no mundo". Aliás, com essa frase ele encerrou a entrevista que assisti ontem.
Hoje, fiz uma pesquisa ligeira por Hugo Penteado e encontrei seu blog "Nosso futuro comum", que já adicionei à minha lista. Vale a pena passar por lá.
Vamos acompanhar?
Pessoalmente, iniciei meu 2009 disposta a reduzir consumo e divulgar minhas novas práticas. Por exemplo, reduzir ao máximo a utilização de sacolas plásticas do supermercado. Tenho levado a minha própria "sacolona" de compras. E sobre isso, Penteado comenta que a rede Wal-Mart está iniciando (região NE do país) uma campanha de estímulo a essa prática, dando desconto aos consumidores que não utilizam as tais sacolas. É pouco, eu sei... há outras coisas que faço, outras que ainda quero fazer e como o Penteado reconheço que a diferença que minha ação individual pode representar para o planeta é "zero". Ainda assim, acho que devo ser parte da mudança que gostaria de ver... Então...

2 comentários:

Mariana Avancini disse...

Oi professora tudo bem ??
Muito bom que a senhora tenha aderido algumas práticas para "salvar" nosso planeta, pena que não são todos que pensam assim. A grande porcentagem da população tem conhecimento do atual problema que enfrentamos e parece que preferem escondê-lo... Espero que essas pessoas mudem seus hábitos logo, pois quem acaba sofrendo não são somente elas, mas todos nós. Beijos

Murilo disse...

Você diz que está fazendo pouco, mas como diria o ditado popular: É de grão em grão que a galinha enxe o papo ;)